Riotur apresenta os números do turismo do Carnaval 2017

Notícias recentes sobre o que acontece de mais importante voltar

O Carnaval do Rio de Janeiro em 2017 foi marcado pela quebra de recordes e pela ótima aceitação dos turistas. Pesquisa da Riotur encomendada à ESPM de 25 a 27 de fevereiro revela que mais de 94% dos turistas estrangeiros voltariam à Cidade Maravilhosa. Destes, 17,4% pretendem retornar ainda este ano e 91,9% recomendariam a cidade. Porém, não foi apenas nos desfiles do Sambódromo que a principal festa carioca fez sucesso: os blocos, capitaneados por Bola Preta, Favorita e Sargento Pimenta, levaram nada menos do que 5.982.700 foliões às ruas entre os meses de fevereiro e março. O recorde registrado anteriormente era de 5,4 milhões de pessoas.

Confira os números abaixo:

TURISMO
1,1 milhão de turistas no período
Renda aproximada de R$ 3 bilhões

Hotelaria (ABIH/RJ)
Ocupação média na hotelaria da capital ficou em torno de 78%, segundo a Associação Brasileira da Indústria de Hotéis do Rio de Janeiro. O índice representa um incremento de 8,33% na semana do evento, confirmando a percepção do presidente Alfredo Lopes de que o mercado brasileiro, principal visitante neste Carnaval, costuma realizar as reservas em cima da hora. Os bairros de Copacabana e Leme alcançaram a liderança e marcaram 83% de ocupação, seguidos por Ipanema e Leblon, com 82%. A região da Barra e Recreio, que vinha se destacando como bairro mais procurado, ficou com 79%, enquanto o Centro, por último, registrou 71%. Vale ressaltar que a capital ganhou cerca de 18 mil novos quartos nos últimos anos.

Albergues (ACCARJ)
A ocupação total de albergues e cama e cafés no carnaval foi de 85,9%, com um aumento de 20% de turistas brasileiros em relação aos dois últimos anos – os turistas nacionais representaram 60% das reservas. Outra característica deste ano foram as chamadas reservas last minute, feitas de última hora. os dados são da Associação de Cama e Café e Albergues do Rio de Janeiro.

PORTO (Píer Mauá)
Foram aproximadamente 50 mil turistas em 14 navios. A maior parte das embarcações chegou no domingo (26/02), totalizando sete transatlânticos atracados no Pier Mauá – somente neste dia houve uma movimentação de aproximadamente 35 mil turistas, entre passageiros e tripulantes.

IMPRENSA CREDENCIADA – SAMBÓDROMO
– 1.219 jornalistas da imprensa nacional, 249 veículos de 10 estados brasileiros
– 318 jornalistas de 110 veículos de imprensa estrangeira

PÚBLICOS

BLOCOS DE RUA
Total: 5.982.700

Maiores blocos
Bola Preta – 800 mil
Favorita – 500 mil
Preta – 500 mil
Sargento Pimenta – 500 mil
Anitta – 400 mil
Monobloco – 400 mil
Simpatia É Quase Amor – 250 mil
Banda de Ipanema – 240 mil
Chora Me Liga – 200 mil
Bangalafumenga – 150 mil
Orquestra Voadora – 120 mil

OUTROS PALCOS

– Cinelândia: 5.000/noite (total 25 mil pessoas)
– Av. Chile: 5.000/noite (total 20 mil pessoas)
– Intendente Magalhães: 35.000/noite (total 175 mil pessoas)
– Terreirão: público pagante de 35.163 pessoas

DIGITAL

Portal Visit.Rio
79.614 usuários
255.436 visualizações de página

Facebook
alcance: 481.494
envolvimento: 129.308

Twitter
430 mil impressões
16,4 mil visitas ao perfil

Flickr
763.005 visualizações

Mais de 94% dos turistas estrangeiros voltariam ao Rio, diz pesquisa Riotur/ESPM
Avaliação foi feita no Sambódromo nos dias 25, 26 e 27 de fevereiro

O carnaval carioca ganhou a simpatia dos turistas estrangeiros. Em pesquisa realizada pela ESPM Rio, a pedido da Riotur, no Sambódromo, 94,2% de argentinos, norte-americanos, franceses, ingleses e portugueses, entre outros, informaram que pretendem retornar ao Rio de Janeiro. Destes, 17,4% querem voltar à cidade ainda em 2017. 91,9% afirmaram que recomendariam a Cidade Maravilhosa a quem queira visitá-la. A pesquisa foi feita nos dias 25, 26 e 27 de fevereiro e, pela primeira vez, a coleta foi realizada com dispositivos eletrônicos (tablets) que permitiam a transmissão dos dados em tempo real.

Segundo a pesquisa, os turistas estrangeiros deram destaque para a diversão noturna (nota 9,3), a hospedagem (8,6), os restaurantes (8,3) e o transporte público (7,9). As informações turísticas tiveram a média de 7,7. Segurança (6,4) e limpeza públicas (6,7) passaram raspando.

Na avaliação do Sambódromo, entre os itens mais bem avaliados estão sonorização (8,2), acesso ao setor (8), sinalização interna (7,9) e limpeza do setor (7,9). Empatados, a quantidade de banheiros e o conforto das acomodações tiveram nota 7,5. A alimentação teve nota 7,4. A qualidade (7,9) e o atendimento (7,8) foram os quesitos mais bem avaliados, enquanto os preços (6,8) e a variedade (6,9) foram os que receberam as notas mais baixas.

“Esse ano a ESPM estreou a coleta eletrônica, ou seja, a coleta e processamento dos dados ocorreram em tempo real, permitindo uma maior agilidade e precisão”, comentou o professor da ESPM Rio e coordenador da pesquisa, Eugenio Giglio.

Ainda de acordo com a análise, em média, os estrangeiros optaram por ficar 10 dias na cidade. 65% deles em hotéis, 12% em albergues, 8% em casas ou apartamentos alugados, 7% em apart hotel ou flat, 5% em pousadas, 2 % em locais não especificados e 1% na casa de parentes. Segundo a pesquisa, 29% eram argentinos, 13% norte-americanos, 11% franceses, 6% ingleses, 5% portugueses, 5% mexicanos, 5% chilenos, 5% chineses, 4% peruanos, 4% belgas, 2% irlandeses, 2% australianos, 1% equatorianos, 1% venezuelanos, 1% alemães, 1% espanhóis, 1% austríacos, 1% italianos, 1% japoneses e 1% holandeses. Destes, 49,4% viajaram com os amigos, 25,9% com a família, 18,8% com o (a) companheiro (a), 4,7% sozinhos e 1,2% em excursão. 95% deles vieram ao Rio de avião e 5%, de navio.

Paulistas lideram ranking de turistas nacionais no Rio durante o carnaval

Entre os turistas nacionais, 31% vieram de São Paulo, seguidos por 11% de Minas Gerais, 8% do Rio Grande do Sul, 7% do Paraná, 5% do Amazonas, 5% do Ceará, 4% de Santa Catarina, 4% da Bahia, 3% do Maranhão, 3% da Paraíba, 2% do Distrito Federal, do Espírito Santo, Pernambuco e Mato Grosso do Sul. Pará, interior do Rio, Goiás, Sergipe, Alagoas e Mato Grosso tiveram 1% cada um de turistas no Rio de Janeiro. Deste total, 94,3% informaram que recomendariam a Cidade Maravilhosa para outras pessoas e 96,2% disseram que pretendem voltar, 56,5% informaram que querem retornar ainda em 2017.

Segundo a pesquisa, a avaliação dos turistas nacionais também deu boas notas à diversão noturna (9,2), hospedagem (8,7) e restaurantes (8,5), que foram os quesitos mais bem cotados, seguidos de transporte público (7,5), informação turística (7,4), segurança pública (6,6) e limpeza pública (6,5). Já na análise ao Sambódromo, destaque para sonorização (8,6), sinalização interna (8,4) e acesso ao setor (7,9). Limpeza do setor (7,6), quantidade de banheiros (7,2) e conforto das acomodações (7,2) foram os quesitos com notas mais baixas.

“As notas de avaliação da satisfação com a estrutura do Sambódromo apresentam uma estagnação ao longo dos anos. A performance dos indicadores não mudou, o que abre uma oportunidade para melhorias de maneira a proporcionar uma melhor experiência ao expectador. Creio que deveríamos ter mudanças tais como implementação de telões, acesso wifi para todos, bem como melhorias no acesso. Apesar do aumento das opções de alimentação estas ainda são vistas como caras para os expectadores”, concluiu Eugenio Giglio.

“Mais uma vez o Carnaval provou porque é o maior produto turístico do Rio. Nossa cidade encanta pela beleza natural, simpatia, povo hospitaleiro e, como não falar, o astral desta festa maravilhosa. A cidade se preparou para receber o turista e tivemos 1,1 milhão deles espalhados por praias, pontos turísticos, blocos, palcos e marques de Sapucaí. Este carnaval gerou para a cidade aproximadamente R$ 3 bilhões. Em apenas dois meses de gestão do prefeito Marcelo Crivella, promovemos uma linda festa para estes foliões apaixonados”, afirmou o presidente da Riotur, Marcelo Alves.

Mais informações sobre a pesquisa em parceria com a ESPM
Gabriela Lapagesse
gabriela.lapagesse@spga.com.br
(21) 98739-2018
http://www.spga.com.br/

Riotur e Facha apresentam perfil do turista que chega pela Rodoviária Novo Rio

Paulistas representam 36% do total

50% se hospedam em casas de parentes, 38% viajam sozinhos e 58% ficam entre quatro e seis dias

67% visitam a cidade por causa do carnaval e 65% tem os blocos como motivação

A Riotur e a FACHA – Faculdades Integradas Hélio Alonso acabam de finalizar estudo que apresenta o perfil do turista que chega ao Rio de Janeiro pela Rodoviária Novo Rio. No total, entre 23 e 25 de fevereiro, foram entrevistadas 567 pessoas. A margem de erro é de 4,1 pontos percentuais. “O nosso objetivo é conhecer as opiniões dos visitantes que chegam através da rodoviária sobre o Rio de Janeiro. E para obter o máximo de informações nós contamos nesse trabalho com as atuações de alunos dos cursos de Comunicação Social e Turismo”, explica o professo Marcelo Tesserolli, Coordenador do Curso de Turismo, que, ao lado do também professor Anderson Ortiz, Coordenador do Curso de Relações Públicas, supervisionou o trabalho. A pesquisa será realizada ao longo de dez importantes feriados de 2017 e os resultados serão analisados por pesquisadores da FACHA e apresentados pela Riotur.

Entre os entrevistados, 34% têm entre 18 e 24 anos e 29% estão na faixa dos 25 a 31 anos. Enquanto 48% têm ensino superior, 38% completaram o ensino médio. Os paulistas são a maioria, 36%, seguidos por moradores de cidades do interior do Rio de Janeiro (22%) e Minas Gerais (18%). Ao todo, 37% dos entrevistados responderam que já vieram ao Rio entre duas e cinco vezes, 24% estiveram 16 vezes ou mais e 21% vieram pela primeira vez.

Dentre as pessoas ouvidas pelos pesquisadores da FACHA, 58% pretendiam ficar entre quatro e seis dias na cidade, seguidos por 18% que pretendiam ficar por um período maior, entre sete e nove dias, e por 11% que ficariam apenas entre um e três dias. O percentual daqueles que preferem viajar sozinhos é de 38%, seguidos pelos que preferem a
companhia de amigos (32%) e de familiares (20%). Sobre gastos na cidade, 37% disseram que pretendiam gastar entre 251 e 545 reais, 28% entre 546 e 1071 reais e 12% disseram que gastariam 250 reais ou menos.

O carnaval é a principal motivação para 67%. Visitas aos familiares são a segunda motivação mais comum (53%), seguida por idas à praia (13%) e aventura e cultura, com 6% cada. Os blocos são a principal atração de carnaval para 65% dos entrevistados, seguidos pelos desfiles no Sambódromo (18%) e bailes (4%). Entre os pontos turísticos, as praias foram apontadas como as preferidas por 38%, seguidas de longe pela região da Lapa (13%), Corcovado (11%) e Pão de Açúcar (9%). Do total de pessoas ouvidas, 56% disseram que pretendem voltar à cidade. Entre os feriados apontados como os preferidos para esse retorno estão a semana santa (24%), o Réveillon (14%), Natal e Tiradentes (7%).

Sobre a hospedagem, 50% optaram por ficar em casas de parentes, 17% preferiram casas ou apartamentos alugados, 10% escolheram hotéis e 7% preferiram albergues. Quando perguntados sobre o critério de escolha, 30% responderam que é sempre a mesma, 20% afirmaram levar em conta questões financeiras e 16% tiveram a localização como principal motivação.

Do total de entrevistados, 24% usaram a internet para fazer reservas. Quando perguntados sobre que transportes usariam durante a estadia no Rio, 29% disseram que dariam preferência aos serviços oferecidos a partir de aplicativos. Em seguida foram citadas as opções ônibus (24%), metro (21%) e carro alugado (12%).

Alguns dos resultados surpreenderam os pesquisadores. Corcovado e Pão de Açúcar, pontos turísticos centenários, apareceram timidamente como pretensão dos visitantes, com 11% e 9%, respectivamente. Também chama a atenção a procura por aluguel de apartamentos. Esse tipo de hospedagem foi a opção de 17% dos entrevistados, superando a busca por hoteis. Outro ponto de alerta para o turismo é a constatação de que os visitantes não contratam serviços profissionais de turismo na cidade.

A comprovação de que o turista rodoviário possui, em sua maioria (54%), ensino superior, levanta o questionamento de por que, então, esse potencial cliente tem baixo interesse pelos serviços e aparelhos turísticos da cidade na época do carnaval. “Isso nos faz pensar na forma como esses produtos e serviços são oferecidos e comunicados. Será que há ofertas que atendam esse perfil de público, será que os preços das atividades cabem nesse orçamento e a comunicação voltada para este perfil é eficiente? questiona Marcelo Tesseroli.

Destaques da pesquisa:

  • 54 % dos turistas rodoviários têm nível superior
  • 67% dos entrevistados, ou seja, 2 a cada 3 vieram exclusivamente para o carnaval
  • 65% vieram para curtir blocos de rua e apenas 18% iam ao Sambódromo
  • Praias são locais preferidos para visitação e estavam na programação de 38% dos visitantes. Muito atrás, Lapa (13%), Corcovado (11%) e Pão de Açúcar (9%)
  • 50% dos turistas se hospedaram em casas de parentes
  • Casas e apartamentos alugados, com 17%, superaram a preferência pelos hotéis e outras hospedagens
  • Airbnb (39%) e Booking.com (37%) são os sites preferidos para reserva de hospedagem
  • O turista rodoviário não usa a internet para comprar passeios turísticos, ingressos/entradas, guias de turismo independente ou seguro de viagem.
  • O turista rodoviário não contrata serviços profissionais de turismo na cidade, foi o que afirmaram 98% dos entrevistados
  • 29% usaram aplicativos de transportes (Uber, Cabify etc.) enquanto os táxis tradicionais foram a opção de apenas 8%

Fonte: SRZD